top of page
  • Spotify ícone social
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • Foto do escritorDennis Souza

Impressões | Megatubarão

Jason Statham, sabe como ninguém carregar carisma e simpatia em seus filmes, porém, de forma um pouco mais marrenta e truculenta que seu colega Dwayne “The Rock” Johnson.

E assim como The Rock fez com “Rampage: Destruição Total”, Statham, estreia Meg, ou Megatubarão, nova empreitada do ator com o batuta diretor Jon Turtelbaub dos bons “Jamaica Abaixo de Zero”, os dois “A Lenda do Tesouro Perdido”, “Fenômeno” e “Aprendiz de Feiticeiro”…

Turteltaub sabe conduzir a história, dosa muito bem a aventura/ação de forma bastante descompromissada e leve, mas ao mesmo tempo, sabe carregar muito bem bons momentos de tensão, agonia e suspense.

Com planos mais fechados, sufocantes e provocativos, evoca, tensão com muita sabedoria, já os enquadramentos mais abertos investe bem em mostrar a escala de seu tubarão, emanando surpresa e fascinação pela criatura.

Seguindo a cartilha de Spielberg, Megatubarão, é um verdadeiro mix do clássico de 75 (Tubarão) com “Do Fundo do Mar” e “Jurassic World”, mesmo assim, traz consigo uma certa “originalidade” em alguns pequenos aspectos, em alguns pequenos detalhes do filme.

A sua primeira metade surpreende, prende sua atenção, sabe ser engraçado quando precisa e traz um grupo “clichê” porém carismático para o filme.

Além de Statham que interpreta o mergulhador Jonas, o elenco traz nomes conhecidos como Ruby Rose (do recente John Wick 2, xXx: Reativado), Cliff Curtis (de Fear the Walking Dead, A Colombiana), Rainn Wilson (The Office), a atriz e cantora chinesa Li Bingbing e a presença de Masi Oka, o eterno Hiro de Heroes.

Já os efeitos, oscilam bastante, em dado momento é um vislumbre (se possível, vejam na maior tela e som que conseguirem, pois a imersão é grande e o impacto da criatura também!), em outros, causam uma certa estranheza, mas nada que desabone a produção.

Megatubarão tem um excelente ponto de partida, é baseado em um livro (escrito por Steve Alten), tem um certo embasamento cientifico em seu começo, diverte bastante, tem bons momentos de tensão (dá medo), bons efeitos (nem todos, tá!), um bom elenco, é um filme bem dinâmico mas, no final é aquela aventura despretensiosa e descompromissada em que você desliga seu cérebro e se diverte do começo ao fim.

Nota: 8/10


0 visualização0 comentário

Comments


Design sem nome (63).png
  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Instagram Icon
bottom of page