• Spotify ícone social
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • Dennis Souza

CRITICA – MALIGNO | James Wan de volta ao SOBRENATURAL

Maligno' e 'Patrulha Canina' estreiam nos cinemas da Paraíba | Paraíba | G1

Em Maligno, Madison (Annabelle Wallis) passa a ter sonhos aterrorizantes de pessoas sendo brutalmente assassinadas. Ela acaba descobrindo que, na verdade, são visões dos crimes enquanto acontecem. Aos poucos, ela percebe que esses assassinatos estão conectados a uma entidade do seu passado chamada Gabriel. Para impedir a criatura, Madison precisará investigar de onde ela surgiu e enfrentar seus traumas de infância. Toda essa história tem como maestro o mestre do terror e sobrenatural atual, James Wan.

James Wan vem a anos conceituando sua carreira em volta de filmes de horror, tendo em seu curriculo grandes resultados de bilheteria para o gênero, tal qual  o primeiro JOGOS MORTAIS (2004) e as franquias SOBRENATURAL (2010-2013) e INVOCAÇÃO DO MAL (2013-2016). Por seu diferencial em sua forma de contar histórias de gênero, James Wan caiu na graça do publico e crítica por suas diferentes propostas apresentadas, tanto em sua estética com propostas de planos muito bem definidos, movimentação de câmera e trilhas que tendem a criar um pano de fundo e toda uma tensão na medida certa e também nos acertos em relação aos efeitos práticos e especiais, sobretudo, por sua condução da narrativa.

Com uma proposta de revisitar suas origens no gênero, Wan, traz caminhos mirabolantes porém pouco assertivos, Maligno procura – através de uma trama disfarçada de sobrenatural – conduzir seu público à uma história de Paranoia e Assassinato contando sempre com o benefício da dúvida, pois o conflito do “e se” existe, ele é real e faz parte da linha narrativa. O filme parece se levar a sério demais, com proposta de grande reviravolta ao final, porém, além de obviedade e da fácil antecipação dos acontecimentos, o filme conta demais com a suspensão da descrença por parte do publico, o que faz quebrar a experiência cinematográfica ao lembra-lo constantemente de que aquele é “só um grande experimento do cineasta”.

Eu queria fazer algo diferente, mas que voltasse às minhas raízes”, diz James  Wan em trailer de “Maligno”

Porém, o cineasta também vem se aventurando em grandes blockbusters como Aquaman e Velozes e Furiosos, por exemplo. Maligno por sua vez, vem num momento muito específico de sua carreira, pois após grandes sucessos como: Aquaman (filme de super herói da DC de 2018, cuja sequência já está em Produção e a direção também fica a cargo de Wan) e Invocação do Mal (franquia tida como fenômeno aos olhos do público e crítica), James Wan se vê na necessidade de fazer algo menor e aproveita esse período de introspecção imposta pela Pandemia do covid-19 para voltar ao “menos é mais” e brincar neste ambiente que é a produção de forma “Independente” (porém, com um orçamento mais acessível e com todo o know-how obtido na condução dos filmes de herói).

Certamente James Wan se divertiu conduzindo as gravações de Maligno pois a todo o momento é possível ver o dedo do diretor em um plano ou outro, nas interpretações, nas cenas de drone/grua, nas coreografias em cenas de luta, etc… A questão aqui é que enquanto um “possível experimento”, o filme não se basta como obra.

A história é simples e tem um plot interessante, porém, toda a sua condução acontece de forma desastrosa. A trilha sonora é boa mas parece descolada (a impressão é que se apropriaram de uma trilha composta para outro filme e encaixaram ali), além de estupidamente alta e conta com pouquissismos tempos de silencio, o que é péssimo! (Sério que em 15min de filme eu já estava irritado na poltrona esperando que o filme terminasse logo).

Maligno: James Wan promete algo novo e diferente em seu retorno aos filmes  de terror - Notícias de cinema - AdoroCinema

As interpretações não são ótimas mas também não comprometem. Mais uma vez o que me chama a atenção é a condução do diretor. É perceptível a forma como ele conduziu seu elenco para o resultado que esperava e com isso, é possível perceber marcações de cena e existe muita canastrice desnecessária. Não sei ao certo se a ideia era trazer um nível de interpretação que fizesse referencia a alguma época especifica (talvez a filmes trashs dos anos 80, embora o filme se passe nos dias atuais), mas tudo me parece muito artificial.

Gosto da opção de James Wan enquanto Diretor e Roteirista (junto com Ingrid Bisu e Akela Cooper) de deixar um pouco de lado a questão SOBRENATURAL e trazer uma trama mais física e psicológica para este filme. Seria realmente muito interessante se eles tivessem efetivamente optado pelo “mais é menos”, mas junto com essa proposta é trazida a tona toda a sua vivencia em filmes de heróis e conceitos como força sobre-humanainterferência em equipamentos eletrônicos são simplesmente jogados na trama (na nossa cara) sem nenhuma explicação plausível e só o que fazem, é reforçar as escolhas óbvias da direção e justificar sua montagem (trilha-sonora, fotografia, jumpscare e etc…) e o climax final.

Basicamente, Maligno conta com uma premissa interessante, mas que por uma visão equivocada e/ou pretenciosa demais dos realizadores, acaba sendo “inflada” demais e o filme acaba saindo dos trilhos antes mesmo de começar a sua viagem. O desempenho mediano do elenco e seus diálogos expositivos; a necessidade absurda de chamar atenção para a sua montagem, tanto na fotografia e na direção de cena, quanto na trilha sonora; as facilitações do roteiro… Tudo é muito plástico e tudo soa falso a todo o momento.

É possível curtir, se você for um amante do gênero, mas nada ali pode ser levado a sério. A forma como a história está sendo contada claramente é mais importante do que a história em questão, então esse “experimento” pode ter custado caro e isso, só as bilheterias dirão.

Critica por Luana Stteger (com apoio de Bruno Sangregório)

0 visualização0 comentário
Design sem nome (63).png
  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Instagram Icon