• Spotify ícone social
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
  • Dennis Souza

Crítica | Rocketman: O Foguete Elton John

Impossível falar de Rocketman e não citar o recente sucesso de Bohemian Raphsody, filme que conta a biografia de Freddie Mercury (vocalista e Líder da banda Queen) e seu sucesso meteórico. Bohemian Raphsody deu muito que falar, garantindo 04 estatuetas no Oscar 2019, incluindo o de Melhor Ator a Rami Malek, e embora o sucesso do filme seja inegável, devo dizer que (para mim) o maior mérito do filme não é o filme em si (enquanto obra cinematográfica) e sim a banda, Queen foi e sempre será o Queen e esse é o maior mérito do filme. Acho inclusive, que o roteiro poderia desenvolver um pouco melhor os outros personagens da banda e seus conflitos, pois tudo acontece muito rápido e pra mim a interpretação de Rami Malek soa um pouco estereotipada (como já sabemos, Oscar não é parâmetro, pois leva quem faz a melhor campanha). Dito isso, devo chamar a atenção para o roteiro de Rocketman, escrito por Lee Hall (conhecido por Billy Elliot – 1999) e para a Direção de Dexter Fletcher (que inclusive, produziu Bohemian Rhapsody), que entregam um filme redondinho, onde O PONTO FORTE não são os números musicais (As cenas de palco são poucas neste filme), mas sim, o desenvolvimento dos conflitos de Elton John e das demais personas que o cercam.

O filme já começa a explorar estes conflitos em seu início, colocando um Elton John já maduro, no ápice de sua carreira, em uma reunião dos Alcoólicos Anônimos, onde expurga todos os seus demônios (literalmente, pois é assim que ele entra vestido e à medida que conta sua história, vai se despindo). Ao contar sua história, tomamos ciência de quem foi o pequeno Reginald Dwight, o garoto prodígio que logo faria sucesso e mostraria ao mundo todo o seu talento ao tocar seu piano e viria a se tornar o tão famoso Elton John. Reggie era uma criança com um talento especial, porém, cheia de conflitos emocionais. Seu maior desejo era ser reconhecido por seus pais e talvez isso tenha o impulsionado a seguir seu caminho no mundo da música.

Na verdade, o filme não conta apenas a historia de Elton, mas nos mostra de forma emocionante sua historia de superação e aceitação, um grande encontro com sua criança interior e a capacidade de re-significar toda uma história de vida.

Mais uma diferença em relação ao filme do Queen, é que Rocketman não é um filme musicado e sim um filme musical. O roteiro se apropria das letras das músicas e dos momentos em que elas foram compostas para retratar estados de espirito das personagens e ambientar muitos dos conflitos de Elton, colocando inclusive outras pessoas a cantar. Oque nos presenteia com incríveis planos sequencias, com belas coreografias e grandes números musicais.

No papel de Elton John, está Taron Egerton (Kingsman), que se mostra um grande ator. A forma como ele veste a personagem extremamente eficaz, e ele se apropria de Elton John de tal forma, que transparece toda a sua motivação e nos permite entender seus sentimentos, mesmo quando ele está coberto de adereços da cabeça aos pés. Espero ver mais de Taron por aí! Aliás, todos os 03 atores que interpretaram Elton em diferentes momentos de sua vida mandaram muito bem, e fica aqui meu elogio também para o trabalho do ator mirim Matthew Illesley, que tem bastante autonomia no papel e um carisma impressionante. O filme está recheado de grandes nomes, tais como: Richard Madden (GOT), Bryce Dallas Howard (Jurassic World), Jamie Bell (Billy Elliot), dentre outros.

A direção de Arte também acerta e além de reconstruir os anos 70 e 80 com primor, também entrega figurinos arrasadores, muito parecidos com os originais.

Bom, motivos não faltam para assistir Rocketman. Este é um filme que agradará não só os fãs, mas todos aqueles que curtem ver um bom filme. Se você ainda não conhece a obra de Elton John, possivelmente sairá do cinema pesquisando por suas musicas, afinal, o que faz deste um ótimo filme é justamente o fato de que o bom roteiro, combinado com a sensibilidade da direção e o ótimo trabalho de Taron Egerton, conseguiram de forma sensível, humanizar Elton John, diferente de Freddie Mercury que foi colocado em um pedestal em Bohemian Rhapsody, o que a meu ver, não aproximou o publico, mas sim o afastou dele. Esse é um filme sobre a biografia de um homem (ainda vivo) que com muita coragem (Elton produziu o filme), escancara todas as suas dores, magoas e erros e ao final, permite a si mesmo rever tudo de outra forma (sem moralismo barato) mostrando apenas que todo homem tem mais do que o direito de voltar atrás e mudar seu futuro… Ele deve primeiramente aceitar sua essência e isso já é parte de sua libertação.


#EltonJohn #Rocketman #TaronEgerton

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Design sem nome (63).png
  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Instagram Icon